Monitor de Evidências Covid-19: como conduzir a reabertura das escolas em meio à pandemia

Monitor de Evidências Covid-19: como conduzir a reabertura das escolas em meio à pandemia

a9e25b5e-7bc6-461c-912c-70b792e40350

Ainda que haja diferenças no momento em que cada país se encontra no controle da disseminação do novo coronavírus, a volta às aulas traz preocupações e desafios comuns, num cenário em que mais de 60% ou 1,1 bilhão de estudantes matriculados no mundo todo são afetados pelo fechamento das escolas, de acordo com a Unesco.

O Monitor de Evidências Covid-19 da FGV EESP Clear destaca em seu repositório de dados e estudos sobre o enfrentamento da pandemia o documento Recomendações para a reabertura de escolas, produzido recentemente pela Unesco. Toda tomada de decisões deve ser baseada “num processo contínuo de contextualização e adaptação, com foco local, para atender demandas de aprendizagem, saúde e segurança das crianças”, orienta o texto.

Em sua principal contribuição, seis dimensões a serem consideradas por gestores públicos para avaliar as condições de reabertura das escolas são identificadas: política, financiamento, operações seguras, aprendizagem, inclusão de populações marginalizadas e bem-estar/proteção. De forma bastante esquemática, que facilita o entendimento, características de cada uma dessas dimensões são apresentadas num quadro que destaca três momentos do processo de retomada: antes da reabertura, durante a reabertura e com as escolas reabertas. Tópicos descritivos e recomendações objetivas que preenchem esse quadro trazem informações valiosas para ajudar lideranças governamentais, gestores públicos e diretores de escola na implementação e condução de ações, todas permeadas por observação e análise de evidências.

Na sessão Antes da Reabertura, um estágio de preparação, a Unesco recomenda o desenho de políticas, procedimentos e planos de financiamento críticos e necessários para melhorar a escolaridade, com foco em operações seguras, incluindo o fortalecimento de práticas de ensino à distância. Por exemplo: “A abertura das escolas também pode ser por etapas. Inicialmente limitada a alguns dias da semana ou abrir apenas para determinadas séries ou níveis. As políticas nacionais devem fornecer orientações claras para a avaliação e tomada de decisão por parte dos níveis subnacionais.”

A coluna Durante a Reabertura foca na adoção de abordagens proativas para reintegrar crianças marginalizadas e as que estão fora da escola, o investimento em água, saneamento e higiene para mitigar riscos e focar esforços na educação corretiva para compensar o tempo perdido de ensino, como “o treinamento de funcionários administrativos e professores para a implementação de práticas de distanciamento físico e higiene escolar e aumentar o pessoal nas escolas, conforme necessário.”

Por fim, o bloco que contempla atividades com as escolas reabertas, a Unesco centra suas recomendações no monitoramento ativo de indicadores de saúde de integrantes da comunidade escolar e no fortalecimento da pedagogia, com adaptação à educação a distância para ensino e aprendizagem em formatos mistos, incluindo conteúdos sobre transmissão e prevenção de infecções. “Considerar dispensar provas menos importantes a fim de concentrar recursos na garantia de que provas de importância crítica sejam realizadas de maneira válida, confiável e equitativa”, recomenda o documento da Unesco.

Como complemento, o repositório do Monitor de Evidências Covid-19 do FGV EESP Clear também elenca uma edição multimídia do Observatório da Educação do Instituto Unibanco que, entre outros assuntos, traz resumos atuais sobre a situação da reabertura  de escolas em alguns países (Alemanha, Brasil, China, Cingapura, Dinamarca, Estados Unido e Israel).

Comentários