Pesquisa Domiciliar Participativa (PDP) do Projeto Rio Doce

Pesquisa Domiciliar Participativa (PDP) do Projeto Rio Doce

Projeto Rio Doce visa identificar e valorar os danos socioeconômicos provocados pelo rompimento da Barragem de Fundão, em Mariana (MG), ocorrido em novembro de 2015.

A participação da Fundação Getulio Vargas (FGV) se insere no contexto de um acordo firmado em 2017 entre o Ministério Público Federal e o Ministério Público de Minas Gerais com a mineradora Samarco Mineração S/A, que operava a barragem, e a Vale S/A e a BHP Billiton Brasil Ltda, suas sócias-controladoras. Esse acordo tem, entre seus propósitos, garantir respaldo técnico-científico para construir parâmetros para a reparação integral dos danos causados pelo desastre. Acesse o site oficial do MPF sobre o caso Samarco.

A complexidade de realizar tal diagnóstico exigiu a mobilização de equipes técnicas das áreas de sustentabilidade, economia, saúde e direito, totalizando 120 profissionais de cinco unidades da FGV: Escola de Direito de São Paulo, Escola de Direito do Rio de Janeiro, Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP), Escola de Economia de São Paulo (EESP) e Escola de Matemática Aplicada (EMAp).

A centralidade das pessoas atingidas é um dos pilares norteadores do Projeto Rio Doce, cujo objetivo final é orientar a devida reparação integral a todos que sofreram danos em razão do desastre.

O Centro de Aprendizagem em Avaliação e Resultados para a África Lusófona e o Brasil FGV EESP Clear – unidade especializada em atividades de monitoramento e avaliação ligada ao Centro de Microeconomia Aplicada (CMicro) da EESP – trabalha no diagnóstico e avaliação de impactos econômicos.

Pesquisa Domiciliar Participativa (PDP) do Projeto Rio Doce tem dois grandes objetivos:

  1. Diagnosticar as condições socioeconômicas atuais da população que reside na área delimitada como atingida, formada por 45 municípios nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo.
  2. Avaliar os possíveis impactos do desastre nas trajetórias de trabalho e renda das pessoas atingidas.

Em 2022, a PDP realizará entrevistas em cerca de 5 mil domicílios na área delimitada como atingida pelo desastre. E também em outros 5 mil domicílios em uma área de comparação, composta por municípios com condições socioeconômicas semelhantes, nos estados de Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia e Rio de Janeiro.

A coleta dos dados será executada em parceria com a SCIENCE – Sociedade para o Desenvolvimento da Pesquisa Científica, instituição formada por especialistas com ampla experiência em pesquisas domiciliares. Entrevistadores devidamente identificados irão aos domicílios selecionados para participar da pesquisa.

Informações detalhadas sobre o Projeto Rio Doce e a PDP estão disponíveis no vídeo e material de divulgação abaixo. Confira!

Baixe em arquivo PDF o folder oficial do Projeto Rio Doce e da PDP. Clique aqui.

Site oficial do Projeto Rio Doce: projetoriodoce.fgv.br

Comentários